Heim?

Quebrando símbolos e destruindo bloqueios

Afinal, todo período de seca criativa tem um fim.




 Eu sou uma artista obsessiva. As pessoas me chamam de outra forma mas eu simplesmente deixo-as fazerem o que quiserem. Eu me considero uma herege do mundo da arte. Penso apenas em mim quando faço uma obra de arte. Afetada pela absessão que tem sido apresentada em meu corpo.

-Yayoi Kusama

Certo! Adivinha quem voltou a desenhar? : )
Quero denovo!

Talk show host é o tipo de música que te leva prum lugar bem mais agradável do que qualquer outro que você consiga imaginar!

Êxtase natural!

Paris,Je t’aime

É quando acaba…

Acordou se sentindo estranha, tomou um café amargo feito as pressas e teve a impressão de que sua xícara, cor de sangue, comprada numa viajem que fizera a uma cidadezinha qualquer, hoje havia se tornado menos vermelha. Andou de um lado para o outro. Fumou o último cigarro da carteira amassada.
-Merda! Preciso sair daqui!
E num momento súbito de coragem, saiu pelas ruas
Determinada a fazer algo grande, algo que fizesse valer a pela seu emprego e vida medíocre.
-Não! Eu não consigo! Não pertenço mais a esse lugar! Eu não sou de lugar nenhum.
Começou então a se lembrar de quando tinha uma vida, pouco antes do seu marido deixá-la, pensou e lembrou de todos os momentos felizes, e isso definitivamente a deixou com raiva!
-Aquele escroto destruiu a minha vida!
Involuntariamente, se pôs a caminhar. Caminhou em direção a casa dele.
-Preciso parar de fumar! … Ou não! Quem se importa?!
Continuou caminhando. Parou em uma banca velha e compro cigarros. Viu as noticias dos jornais e ficou um pouco triste.
Ela parecia estar em transe, sua aparência se tornara doentia. Tinha o olhar perdido, de quem nem se quer estava ali.
Chegou ao seu destino. Olhou para a porta extremamente vermelha e achou ter descoberto para onde foi o vermelho de sua xícara.
Parou, respirou fundo, tinha as mãos tremulas e lentamente tirou uma arma de uma bolsa negra.
Deu uma última olhada.
-Eu pensei ter sido feliz junto de ti mas hoje percebo que tudo que fizeste foi me tirar a vida! sugaste toda e qualquer alegria. Ficaste com tudo pra ti e deixaste-me miserável. Mas agora, aqui nesse instante, eu tomo posse, novamente, da minha própria vida.

E o sangue escorreu, ainda quente, por todo lugar.

“Avec mes souvenirs j’ai allumé le feu…”

—   Edith Piaf
"Com minhas lembranças acendi o fogo"

Atchim!

Me traz uma garrafa de bebida que hoje tô amarga demais pra sorrir.

Trilha para os meus estudos…



Pra mim faz todo o sentido do mundo!